CIRURGIA ORAL

A Cirurgia Oral é uma sub-especialidade da Cirurgia/ Traumatologia Bucomaxilofacial, sendo responsável pelo tratamento cirúrgico de problemas relacionados aos ossos, dentes gengivas e bochechas.

 

Dentre os principais procedimentos cirúrgicos que podem ser realizados em consultório, temos: 
 

  • Exodontia: remoção de dentes com finalidade terapêutica, ortodôntica ou de dentes inclusos e/ou impactados (ex: sisos);

  • Frenectomia labial ou lingual: remoção de freio labial superior ou lingual (abaixo da língua) quando há indicação;
     
  • Biópsias da cavidade oral. 

PRF (Fibrina rica em plaquetas )

A fibrina é uma proteína que atua como primeira resposta sempre que seu corpo está ferido, e desempenha um papel importante no processo de coagulação do sangue.
Os avanços ao longo dos anos, permitiram a sua aplicação nos consultórios e, hoje em dia, o uso dessa proteína já uma realidade cada vez mais frequente em cirurgias orais .
A Fibrina Rica em Plaquetas (PRF) é utilizada com o objetivo de acelerar a cicatrização e a regeneração em diversos procedimentos cirúrgicos. Especialmente na Odontologia, ela é muito empregada em enxertos ósseos, cirurgias periodontais e maxilo-faciais , através de um concentrado de fatores de crescimento autólogo capaz de estimular a regeneração tecidual.
Vale ressaltar que, por se tratar de uma modalidade autóloga (quando o material é retirado do próprio paciente), diminui ou elimina o risco de rejeições ou infecções.
O PRF é obtido a partir do sangue do próprio paciente no momento da cirurgia. Após a coleta, o sangue é colocado em uma centrífuga, onde é realizada a separação por camadas.
O sucesso dessa técnica depende do intervalo de tempo entre a coleta de sangue e a sua transferência para a centrifugação.
Feito isso, o dentista fará a aplicação do PRF no paciente e isso irá acelerar o processo de cicatrização e, também, minimizar o desconforto do paciente no pós-operatório.

VANTAGENS DO USO DO PRF

• trata-se de uma técnica simples e eficiente;

• é obtido através de amostra de sangue do próprio paciente, com manipulação mínima do sangue;

• sem risco de sofrer uma reação imunológica, uma vez que o sangue é do próprio paciente;

• estimula a regeneração tecidual de forma eficaz;

• pode ser utilizado em combinação com enxertos ósseos, dependendo da finalidade.

DENTES DO SISO - TERCEIROS MOLARES

Os dentes do siso, também conhecidos como dentes “do juízo“, são os últimos molares da arcada dentária permanente a erupcionarem . Em alguns casos, isso pode não acontecer por diversos motivos. É possível que o paciente não possua os germes desse elemento por uma questão genética ou eles podem estar em uma posição desfavorável à erupção. Nesse caso, um exame radiográfico panorâmico pode mostrar os elementos 
deitados, inclinados ou impactados nos dentes vizinhos. A falta de espaço também pode ser causadora da não erupção dos sisos. 
A exodontia do siso é em um procedimento cirúrgico definitivo, cuja a finalidade é a remoção do elemento dentário que, por alguma indicação ou problema clínico, não pode ser mantido na boca. 

INDICAÇÕES DA EXODONTIA

* Cáries extensas: quando se detecta, através de exame radiográfico, que  a lesão de cárie já atingiu o assoalho da câmara pulpar, sem possibilidade de tratamento restaurador. 
* Doença periodontal : situação onde o dente se apresenta sem sustentação e com mobilidade, ou seja, com perda óssea irreversível. 
* Finalidade ortodôntica: nesse caso, o paciente está passando ou irá passar por um tratamento ortodôntico e, o elemento  em questão poderá comprometer a execução da mecânica programada no planejamento ortodôntico. Nesse caso, a indicação e a solicitação para a exodontia, devem partir do ortodontista. 
* Fraturas: o dente pode apresentar uma fratura longitudinal. Esse tipo de fratura dental faz com que a infecção crônica causada por ela, resulte em reabsorção do osso que dá sustentação ao dente. 
* Dentes inclusos: nessa condição, os elementos se encontram dentro do osso e podem provocar cistos e tumores, em decorrência de alterações do saco pericoronário
* Cáries em dentes vizinhos: os dentes do siso, como dito anteriormente, podem se apresentar impactados nos dentes localizados ao lado deles. Em alguns casos, por conta da dificuldade de higienização, podem surgir lesões cariosas de grande magnitude.
* Pericoronarite: processo inflamatório que pode ocorrer quando o elemento encontra-se parcialmente coberto por gengiva, formando um capuz e impossibilitando a higiene da região. 
* Indicação protética: o terceiro molar pode sofrer extrusão e, com isso, além de ferir a mucosa oral, pode impedir o correto ajuste oclusal em um tratamento de reabilitação. 

Em se tratando do assunto, é muito comum que as pessoas relatem experiências ruins que tiveram ao passar esse tipo de procedimento. Porém, é importante ressaltar que existem muitos mitos a respeito desse assunto e, além disso, as técnicas e protocolos realizados para esse procedimento também evoluíram bastante nos últimos anos. 
Portanto, desde que realizada com um profissional especialista na área, seguindo todos os protocolos exigidos e, mediante um planejamento correto, a EXODONTIA DOS DENTES DO SISO pode, sim, ser um procedimento tranquilo, e totalmente atraumático. 

Se você apresenta qualquer desconforto ou vermelhidão na região dos dentes do fundo da boca, ou até mesmo no rosto (próximo à região da mandíbula), inchaço, dores de cabeça frequentes ou se ainda tem dúvidas a respeito do assunto, agende uma avaliação. 
Através dela, é possível detectar o problema e, se necessário, solicitar exames complementares que poderão auxiliar no diagnóstico correto.

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram